A análise química...

.

Colocar no meu Blog!

A análise química... pela Eng.ª Ana Monteiro

"As análises químicas ao azeite estão regulamentadas segundo o REGULAMENTO DE EXECUÇÃO (UE) N.º 1348/2013 DA COMISSÃO, de 16 de dezembro de 2013, que altera o Regulamento (CEE) n.º 2568/91, relativo às características dos azeites e dos óleos de bagaço de azeitona, bem como aos métodos de análise relacionados e todas as suas alterações regulamentadas.

É fundamental a regulamentação a este nível "para poder distinguir os diversos tipos de azeite e óleo de bagaço de azeitona, há que definir as características físico-químicas de cada um deles, bem como as características organolépticas dos azeites virgens, por forma a assegurar a pureza e a qualidade dos produtos em causa".

O azeite e óleos de bagaço de azeitona são classificados e analisados quimicamente segundo vários parâmetros, entre os quais, se destaca:

Critérios de qualidade:

1)"determinação dos ácidos gordos livres, expressos em percentagem de ácido oleico";

- A acidez (% ácido oleico) de um azeite corresponde à quantidade de ácidos gordos livres, resultante do processo que sofreu a hidrólise sendo expressa em percentagem % de ácido oleico.

A acidez é a consequência, entre outros fatores, das azeitonas não estarem em boas condições na fase de extração ou o mau armazenamento.

A acidez não tem relação com o sabor de um azeite;

2) "determinação do índice de peróxidos";

-A oxidação-peróxido (meq O2/kg), originária do contacto abundante com o ar, resulta num azeite rançoso. Esta avaliação, incide segundo o indicie de peróxido da oxidação inicial do azeite e da sua deterioração;

3) "determinação do teor de ceras";

- O teor em ceras avalia a genuinidade de um azeite;

4) "determinação da composição e do teor de esteróis e de diálcoois triterpénicos por cromatografia em fase gasosa com coluna capilar";

5) "determinação da percentagem de monopalmitato de 2-glicerilo";

6) "análise espetrofotométrica";

7) "determianção da composição de ácidos gordos";

8) "determinação dos solventes halogenados voláteis";

9) "avaliação das características organolépticas dos azeites virgens";

10) "determinação dos estigmastadienos";

11) "determinação do teor de triacilgliceróis com NCE42";

12) "determinação do teor de álcoois alifáticos";

13) "determinação do teor de ceras, de ésteres metílicos de ácidos gordos e de ésteres etílicos de ácidos gordos" ;

As características dos azeites e dos óleos de bagaço de azeitona previstas no anexo I é efetuada de acordo com os seguintes métodos de análise:


Deste modo, os nossos azeites, acompanham as exigentes normas de qualidade e cumprem exatamente a legislação internacional e local de cada país que exportamos para além de estarem em conformidade com a metodologia aplicada mundialmente pelo COI (International Olive Oil Council);.


O COI desempenha um papel fulcral porque acredita os laboratórios a nível mundial onde estas analises, a este tipo de produto, se podem fazer rigorosamente. 
Pode encontrar no site do COI a lista atualizada anualmente:

https://www.internationaloliveoil.org/estaticos/view/226-laboratories-panels?lang=es_ES

Em Portugal os laboratórios creditados pelo COI são:

1) ASAE - Autoridade de Segurança Alimentar

Laboratório de Segurança Alimentar (LSA)

Alexandre José de Melo Andrade Sousa

e-mail: ajsousa@asae.pt

Rua Francisco Marques Beato, 73, 2o Dt.º

1885-034 Moscavide- Portugal

Tel: 351 217 108 432

2) Laboratório de Estudos Técnicos - Instituto Superior de Agronomia

https://www.isa.ulisboa.pt/

e-mail: pmvasconcelos@isa.utl.pt

Paula Vasconcelos

Tapada da Ajuda

1349-017 LISBOA - Portugal

Tel: 351 213653279

Fax: 351 213640624

".§ [Eng.ª C.T.A.G. e D.er] Ana Monteiro, junho de 2015 Céd. Prof. N.º 442